quarta-feira, 30 de março de 2016

Mamães: 5 bons motivos para ter uma fralda de ombro sempre à mão

O momento em que você está montando o enxoval do bebê é uma delícia, não é mesmo? Pensar em todos os itens que o filhote vai usar, escolher cada um deles, faz parte do processo de receber um filho com todo o carinho. Sendo bastante sincera, há produtos que você demora um século para escolher, enquanto outros parecem tão básicos, que não ganham muita atenção naquele instante. Até que você vira mãe, e pensa: “nossa, eu não sabia que isso era tão útil! Se soubesse, teria o dobro do que pedi na gravidez!”. Para mim, foi exatamente isso o que aconteceu com a fralda de ombro: depois que Catarina nasceu, eu descobri mil usos para ela (e quando tenho uma amiga que está grávida, geralmente presenteio-a com alguns bem bonitos, sabendo que ela usará bastante).
Você já parou para pensar em todos os momentos do dia em que usa uma fralda de ombro com seu filho? Se não, dá uma espiadinha a seguir (talvez você descubra que ela pode te ajudar naquilo que ainda não imaginava! Vem ver!):

1) Para colocar o bebê em seu colo, ou no colo de qualquer outra pessoa: Catarina era daqueles bebês que regurgitavam demais! Por isso, eu tomava um banho de “queijinho” todas as vezes em que ela mamava. Se não fossem as fraldas de ombro, não sei se teria sobrado alguma roupa que eu usava naquela época! Mas mesmo que seu filhote não tenha refluxo, é muito bacana cobrir-se com uma fralda para segurá-lo, evitando que ele tenha contato direto com uma peça que você usou fora de casa. O mesmo vale para qualquer visita (e desde a maternidade!): o pano de ombro acaba sendo uma barreira física de proteção para o pequeno, que tem seu sistema imunológico ainda imaturo e que, por isso, deve receber todos os cuidados para que não seja contaminado nos primeiros meses de vida.


2) Para cobrir o bebê-conforto ou o carrinho: quer coisa mais prática do que colocar uma fraldinha de ombro em cima do carrinho de passeio, ou do bebê conforto, para dar um aconchego adicional ao filhote e para se certificar de que ele está colocado sobre uma superfície bem limpinha? Conforme o bebê cresce, você também usará o pano sobre carrinhos de aluguel em shoppings, supermercados (ou seja, o período de utilidade do item é grande!).


3) Para usar sobre o trocador: eu era daquelas mães neuróticas, que limpam o plástico do trocador com álcool gel a cada troca de fralda, acreditam? Até o dia em que Catarina fez um cocô explosivo, que sujou toda a cômoda – inclusive uma fitinha que circundava todo o plástico (foi de chorar!). A partir desse dia percebi que era mais prático cobrir o trocador com uma fralda de ombro – assim, no caso de mais uma “explosão”, a sujeira seria bem menor. O bolso agradeceu também, porque passei a gastar uma quantidade muito menor de álcool.


4) Como naninha: se o filhote não dorme bem, uma das estratégias que a mamãe pode usar é a famosa naninha. Ela pode ser um bichinho, uma almofadinha, mas pode ser também um paninho! Uma dica adicional é dormir uma semana com a fralda junto do seu corpo, e então dar para o pequeno – assim ele sentirá o cheirinho da mãe, que ajudará a acalmá-lo e dormir melhor.


5) Como a imaginação mandar! Eu usava a fralda de ombro nas mais diferentes ocasiões. Ela era uma espécie de coringa, que resolvia os mais variados problemas! Precisou entreter o pequeno dentro do carro? Amarre uma fraldinha de ombro com um brinquedo pendurado, e tenha pelo menos vinte minutos de sossego (às vezes é tudo o que você precisa para chegar ao destino!). Saiu com o bebê e percebeu que o local para onde foram não está muito limpo? É só abrir uma ou duas fraldinhas de ombro, coloca-las no chão e ficar com a consciência tranquila, enquanto o filhote brinca! A melhor parte é que depois você lava tudo, e ficam como novas!

Fonte: Mil dicas de Mãe por Nívea Salgado

terça-feira, 29 de março de 2016

Como fazer pompom de seda

Um dos principais ícones de uma festa é o painel.
Ele normalmente fica atrás do bolo e leva algo que remeta ao tema da festa ou algum item decorativo que fique bacana nos tons do seu evento.
Uma das tendências para esse tipo de painel esse ano é o pompom feito com papel de seda.

É uma ideia bem fácil de ser criada e executada.
Aqui postarei uma dica de um PAP para fazer um painel assim;



Materiais necessários

  • papel de seda da cor escolhida
  • cola branca
  • tesoura
  • linha




  1. Corte uma faixa de papal de seda do tamanho que preferir, a largura será o tamanho do pompom.
  2. Agora, comece a dobrar o papel da mesma forma que faz um leque. Dobre para trás, para frente, para trás, para frente, até formar um bloco com toda a extensão do papel.
  3. Passe um pedaço de linha de costura ao meio e dê dois nós para prender bem.
  4. Feito isso, recorte as beiradas para deixar as “pétalas” do pompom arredondadas.
  5. Está quase pronto. Nesta etapa, cole beirada com beirada com cola branca.
  6. E agora, é só abrir e ver sem pompom de seda criado!
Para criar a guirlanda, crie ao menos três pompons e passe uma linha de costura entre eles. Com cores diferentes, a festa está feita!

Quer ver mais ideias de painel, siga meu Pinterest: https://br.pinterest.com/elainevieira200/painéis/




segunda-feira, 28 de março de 2016

Mais Amor e Menos Mi Mi Mi

A vida está se tornando muito chata e não é de crise política que estou falando.
As pessoas é que estão se tornando chatas.
As pessoas passaram a se preocupar muito com o alheio, com o que não lhes pertencem, a comprar brigas e discussões dos outros.
E a tal da liberdade de expressão?
Ninguém consegue mais falar sem levar críticas e mi mi mis por aí.
Nada pode ser dito, sem alguém te engolir com agressões verbais e palavras chulas.
É a era da intolerância, da falta de paciência, do preconceito, da falta de amor próprio.
As pessoas vão as igrejas rezarem e pedir perdão ao seu Deus e no mesmo dia já começam com seus pecados de falar mal de alguém ou de alguma coisa.
As pessoas estão intolerantes a qualquer opinião que seja divergente da sua própria opinião.
As pessoas estão se tornando cada vez mais insuportáveis ao ponto de ninguém mais querer ficar perto delas.
As pessoas estão se afastando e se anulando cada vez mais do amor para com seu próximo.
E reclama da vida, reclama do país, reclama do vizinho...
E se importam com o que os outros vão pensar, vão falar, vão fazer...
É muita falsidade pra pouco: posso te ajudar?
É muito falar mal pra pouco: Vem cá que te dou um colo.
É muita inversão de valores.
Hoje se priorizam as fofocas ao invés de se priorizar uma boa conversa.
Hoje se priorizam o preconceito ao invés de se priorizar os abraços.
Hoje se priorizam as brigas e discussões ao invés de se priorizar uma boa roda de conversa entre amigos.
Hoje se priorizam falar mal dos outros ao invés de se prontificar E ajudar aquele que precisa.
E simplesmente hoje se prioriza a guerra onde cada um deveria estar espalhando paz e amor.
Que é isso minha gente?
Que mundo você vive?
Que exemplo você está dando para seu filho?
Cadê aquela roda de amigos conversando sadiamente e falando bobagens?
Cadê aquele casal de namorados abraçadinhos sob a luz da lua?
Cadê aquela criança feliz brincando na rua até tarde da noite?
Eu venho de uma época onde brincar na rua era sadio.
Eu venho de uma época onde não existia celular.
Onde fazíamos festa junina na rua.
Onde os vizinhos se juntavam pra comemorar aniversários e conversar.
Onde um ajudava o outro sem pedir nada em troca.
Onde sentávamos todos à mesa para as refeições e conversávamos como havia sido o dia de cada um.
Onde um simples pão com manteiga na frigideira era o melhor café da manhã, porque era feito pela mãe da minha amiga.
Onde meninas brincavam de pipa e carrinho e meninos de casinha e bonecas e não existia preconceito.
Onde ficávamos até tarde na rua e não tinha mãe ligando de 5 em 5 minutos desesperadamente pra saber onde estávamos porque sabia que estávamos na casa de um coleguinha, já almoçados e jantados.
Ok, o mundo mudou e se tornou mais pesado e menos confiável.
Mais perigoso.
Mas pra quê ficar pesando isso mais que o amor que você pode dar a sua família?
Mostre à você que pode mudar!
Mostre a seu próximo que felicidade existe sim e está dentro de cada um de nós, basta apenas querer ser feliz.
Mostre ao mundo que ele pode mudar se cada um mudar um pouquinho.
Mostre as pessoas, que cada um pode ser mais tolerante, mais paciente
Mostre gentileza.
Diga mais por favor, com licença e obrigado.
Diga mais eu te amo!
Deixe o celular mais de lado e converse mais com sua família e amigos.
Use o telefone!
Sorria mais.
Brinque mais com seus filhos.
Faça mais piqueniques.
Elogie mais.
Vá a praças curtir o ar livre, namore seu marido, elogie sua esposa, ande de bicicleta com seu filho, ensine seu filho a rodar peão, pular corda e jogar bolinha de gude.
Brinque de esconde-esconde, pega-pega.
Curta o pôr do sol.
Incentive seu filho a ver desenho nas nuvens.
E principalmente, não deixe a criança sadia, brincalhona, amorosa e tolerante que existe em você morrer.
Mais amor no coração.
Mais amor com o próximo.
Mais amor com o nosso país.
Mais amor, por favor!!!

sábado, 26 de março de 2016

Misofonia



O que é Misofonia?

A misofonia é também conhecida como a Síndrome de Sensibilidade Seletiva do Som (SSSS ou S4). Sentir-se irritada com o som de um pingar de uma torneira, ruído de uma pessoa mascando chiclete, clique de uma caneta podem ser sintomas de que você está sofrendo de misofonia.
O termo significa “miso” ódio “fonia” som, as pessoas que sofrem dessa enfermidade reagem de forma irracional diante de sons específicos. Não se deve confundir essa reação com hiperacusia, que consiste em perceber certos sons de um modo anormal, muito alto e acompanhado de dor física.
Muitas pessoas tem sofrido desse transtorno auditivo durante muitos anos sem saber, uma vez que não foi reconhecido como enfermidade até a década de 90. Desse modo a misofonia tem sido praticamente um mistério a nível mundial.

Quais os sintomas de Misofonia?

Os sintomas de misofonia só aparecem no final da infância, apesar de que podem aparecer em qualquer idade. Normalmente a reação desencadeia um som específico e depois vai sendo acrescentados a outros sons.
Ao se escutar um som detonante as pessoas com misofonia reagem com irritabilidade, raiva,pânico e até mesmo com violência.
Existem graus distintos de misofonia e sua gravidade pode ser medida através de uma escala de ativação de mesofonia (MAS 1 em inglês) em que se diferencia em 11 níveis.

Qual o tratamento para a Misofonia?

Enquanto algumas pessoas tentam encobrir os ruídos detonantes com música, outras pessoas simplesmente tentam evitá-los. As consequências da misofonia podem chegar a ser muito sérias, dependendo de sua gravidade.
O paciente deixa de se relacionar com as pessoas, de envolver-se com atividades sociais e podem até mesmo abandonar o lar.
As vítimas de misofonia sentem-se alienadas e incompreendidas porque as pessoas as consideram histéricas e muito sensíveis. Muitas vezes consultar o médico para um diagnóstico ajuda no sentido de provar que não se trata de equívoco.
O médico pode recomendar distintos tipos de tratamento,como por exemplo, a terapia de retreinamento de tinnitus e a terapia cognitiva-condicional que apesar de não curarem a misofonia ajudam o paciente a aceitá-la. Até mesmo só o fato de falar de sua enfermidade com o médico já pode ser uma grande ajuda.


O Fantástico fez uma matéria sobre o assunto em 08/2014.

Mas fique atento e procure um médico antes de se auto-diagnosticar pois existem outras doenças que tem os sintomas parecidos e somente um médico poderá ajudar a se descobrir e descobrir qual o tipo de doença que tem.

quarta-feira, 23 de março de 2016

Como montar uma festa em 10 Passos

Pra você que é mãe, tia, madrinha e quer montar uma mesa bacanuda pro seu pequeno (a), aqui vão algumas ideias pra você pensar em como fazê-lo.

1º Passo - Escolha do Tema
Até uns 2 anos de idade, quem escolhe tema é a mãe da criança que se realiza com a festa de seu filho como se fosse a dela. E quem não gosta de festa?
A partir dos 3 anos, a criança já tem um pouco mais de percepção e já começa a opinar no tema que deseja para seu aniversário, baseado normalmente nos desenhos que assistem.
E olha que a quantidade de temas é bem grande...

2º Passo - Escolher um Painel 
Antes de começar qualquer decoração, é necessário que você escolha se a mesa terá um painel de fundo ou não. Existe alguns condomínios hoje que não permitem colagens nas paredes, nesse caso não se utiliza um painel de fundo ou então usa-se um suporte de metal ou madeira para montar o painel nele.
Opções: Balões, leques, desenhos no tema, fitas, pompons, iniciais, nome, tecidos, bastidores, flores, grama, etc.

3º Passo - Mesa
Agora que o painel já foi colocado, já dá pra arrastar mesa pra cá e pra lá até posicioná-lo ao meio do seu painel.
Antes de começar a montagem da mesa, é necessário saber se utilizará toalhas, caminhos de mesa, fitas ou simplesmente não colocará nada. Tudo vai depender do seu tema e do que pretende para a sua decoração.

4º Passo - Bolo
O prato do bolo é o primeiro a ser colocado na mesa. O ideal é que fique ao meio, ou em alguma posição de destaque, pois ele é o carro chefe de qualquer festa de aniversário e que fique no alto. Se você não tiver aqueles pratos com pedestal, improvise algum suporte para elevá-lo e ganhar destaque na mesa.
O bolo pode ser falso (fake), feito em biscuit, papel, eva, fraldas ou o que mais a sua imaginação permitir e pode ser verdadeiro, feiro de pasta americana, chantilly ou decorado ao seu gosto para o seu tema.

5º Passo - Decoração Alta da Mesa
O ideal é começar peças peças mais altas que irão na parte de trás da mesa, mais ou menos na mesma linha do prato do bolo.
Quem desejar poderá utilizar vasos com flores naturais ou artificiais (tem umas lindas em eva que nem parece artificial) ou qualquer outro tipo de decoração mais alta ou elevada com algum suporte para ficar nessa parte.
Eles podem ser: madeira, porcelana, vidro, cerâmica, barro, palha, etc. E a mistura entre eles também é permitida, claro que dentro do bom senso.

6º Passo - Decoração Média e Baixa da Mesa
Com a decoração mais alta posicionada na parte de trás, agora é a hora de colocarmos os suportes mais baixos da mesa. Podemos usar caixas, cachepôs, um prato em cima de uma caneca... Tudo isso dá aumento e volume a sua decoração. E depois é só espalhar as partes mais baixas que podem ser bandejas, pratos rasos, cestas, etc.
Os materiais podem ser os mesmo que citados anteriormente e a mistura sempre é bem vinda.

7º Passo - Colocação dos Doces e Personalizados
Os doces no tema da festa surtem um efeito bacana no evento, mas se você não tiver condições de mandar fazer algo assim por algum motivo, utilize os doces tradicionais mesmo e aí invista em algo diferente para colocá-los, os famosos personalizados. E o que são?
Personalizados são produtos industriais ou artesanais produzidos e personalizados no tema do evento, com o nome da criança, a data do evento, por exemplo: latinhas personalizadas, tubetes personalizados, caixinhas personalizadas, chocolates como bis, baton e barras, paçocas, batata pringles, garrafinhas, pirulitos, pães de mel, entre outras ideias que você poderá utilizar.

8º Passo - Criar um cenário de chão
Isso não é um questão tão importante assim para uma festa, mas se quiser evitar que as crianças fiquem muito em cima da mesa na hora do parabéns (e elas vão fica mesmo assim), pode-se criar um cenário para colocar nas laterais ou até mesmo na frente da mesa, criando uma espécie de delimitação de espaço.

9º Passo - Elementos Coringas
Ás vezes na mesa ficam alguns buracos ou até mesmo no chão. O ideal é colocar algo ali para não deixar um espaço vazio chamando a atenção mais que a decoração. 
Podemos também utilizar letras com o nome da criança colocadas à frente da mesa,

Ou também pode-se colocar um varal com o nome, tanto de painel, quanto na frente da mesa,

10º Passo - Curtir a festa
Isso sim é um item fundamental, pois sempre que alguém cria e monta uma festa, pouco se aproveita dela. Tem que falar com o garçom, acabou o chopp, a comida do buffet tá fria... Aprenda a delegar funções aos parentes mais próximos, coloque cada um para ficar de olho em algum item e vá se divertir e tirar muitas fotos para ficar de recordação desse grande momento.
A vida é feita de momentos, então escreva a sua história com cada momento importante que acontecer na sua vida!

Fotos: Crie e Recrie Lembrancinhas

sexta-feira, 18 de março de 2016

5 Dicas de Corte com a Silhouette

O que faz um corte perfeito na Silhouette?

Segue agora 5 dicas para você ter um corte perfeito com sua silhouette.

1 - Cola na base - Se a base estiver com pouca cola, isso pode causar cortes tortos, com falhas, incompletos ou simplesmente não cortar algum ponto. E não encha a base de cola, 3 jatos é o suficiente.
2 - Lâmina afiada - Se a lâmina estiver cega, dificilmente irá fazer um corte bonito de seu arquivo. Se notar isso, aumente a espessura de seu corte, aumente a numeração da lâmina ou então troque-a.
3 - Veja se seu arquivo não tem muitos "nós". A quantidade de pontos em um arquivo pode atrapalhar o recorte, dificultar ou até mesmo levar mais tempo pra cortar.
4 - Assente bem a sua folha. Utilize uma espátula para alisá-la à base. Quanto maior aderência, maior estabilidade de corte você terá.
5 - Posicione seu papel sempre da maneira correta (dentro da marca de delimitação) e sempre com a seta da base voltada para a máquina.

Base com cola o projeto destaca facilmente

quinta-feira, 17 de março de 2016

Endometriose

O que é Endometriose?

Doença caracterizada pela presença do endométrio – tecido que reveste o interior do útero – fora da cavidade uterina, ou seja, em outros órgãos da pelve: trompas, ovários, intestinos e bexiga.
Todos os meses, o endométrio fica mais espesso para que um óvulo fecundado possa se implantar nele. Quando não há gravidez, esse endométrio que aumentou descama e é expelido na menstruação. Em alguns casos, um pouco desse sangue migra no sentido oposto e cai nos ovários ou na cavidade abdominal, causando a lesão endometriótica. As causas desse comportamento ainda são desconhecidas, mas sabe-se que há um risco maior de desenvolver endometriose se a mãe ou irmã da paciente sofrem com a doença.
É importante destacar que a doença acomete mulheres a partir da primeira menstruação e pode se estender até a última. Geralmente, o diagnóstico acontece quando a paciente está na faixa dos 30 anos.
Hoje, a doença afeta cerca de seis milhões de brasileiras. De acordo com a Associação Brasileira de Endometriose, entre 10% a 15% das mulheres em idade reprodutiva (13 a 45 anos) podem desenvolvê-la e 30% tem chances de ficarem estéreis.
Fonte: Dr. Sergio dos Passos Ramos CRM17.178 – SP

Quais os sintomas da Endometriose?
Os principais sintomas da endometriose são dor e infertilidade. Aproximadamente 20% das mulheres têm apenas dor, 60% têm dor e infertilidade, e 20% apenas infertilidade.
Existem mulheres que sofrem dores incapacitantes e outras que não sentem nenhum tipo de desconforto. Entre os sintomas mais comuns estão:

• Cólicas menstruais intensas e dor durante a menstruação;
• Dor pré-menstrual;
• Dor durante as relações sexuais;
• Dor difusa ou crônica na região pélvica;
• Fadiga crônica e exaustão;
• Sangramento menstrual intenso ou irregular;
• Alterações intestinais ou urinárias durante a menstruação;
• Dificuldade para engravidar e infertilidade.

A dor da endometriose pode se manifestar como uma cólica menstrual intensa, ou dor pélvica/abdominal à relação sexual, ou dor “no intestino” na época das menstruações, ou, ainda, uma mistura desses sintomas.

Fontes: 
Dr. Sergio dos Passos Ramos CRM17.178 – SP
Lima, Geraldo Rodrigues de; Girão, Manoel J.B.C.; Baracat, Edmund Chada. Endometriose. In: Ginecologia de Consultório. 2003.1ª Edição. P.165-173. Editora de Projetos Médicos. São Paulo-SP.

Como se descobre a Endometriose?

A endometriose ainda é uma doença difícil de diagnosticar por meio do exame físico, ou seja, realizado durante a consulta ginecológica de rotina. Dessa forma, os exames de imagem são mais adequados para indicar a possível existência do problema, que será confirmada posteriormente por meio de exames laboratoriais específicos.
Entre os exames de imagem que podem sinalizar a endometriose, destacam-se:

Ultrassonografia transvaginal – Procedimento de menor custo, que permite a identificação de endometriomas, aderências pélvicas e endometriose profunda.

Ressonância magnética – Exame mais caro, a ressonância magnética apresenta melhores taxas de sensibilidade e especificidade na avaliação de pacientes com endometrioma e endometriose profunda.

Para identificar a existência da endometriose, outros exames complementares ainda podem ser solicitados pelo médico, como a ultrassonografia transretal, a ecoendoscopia retal e a tomografia computadorizada. Após a identificação de alguma alteração, o médico poderá optar por realizar uma biópsia da lesão encontrada, de modo a confirmar o diagnóstico. Essa avaliação será realizada por meio de exames chamados laparoscopia e laparopotomia.

Laparoscopia – Permite tanto o diagnóstico como o tratamento da paciente. O procedimento é realizado através de pequenas incisões na barriga, e a introdução de instrumentos telescópicos para a visualização, e se for o caso, para a retirada das lesões. A laparoscopia também permite a coleta de material para avaliação histológica e o tratamento cirúrgico das lesões. O ideal é que seja realizado após o término da fase de avaliação por meio dos métodos de imagem, permitindo que o diagnóstico e o tratamento possam ser feitos de maneira integrada – e evitando, assim, múltiplos procedimentos. A Laparoscopia é mais vantajosa que a Laparotomia, porque envolve um menor tempo de hospitalização, anestesia e recuperação, além de permitir uma melhor visualização dos focos da doença.

Laparotomia – É o procedimento tradicional e considerado mais invasivo em comparação à Laparoscopia. Envolve uma incisão abdominal maior para acessar os órgãos internos, e pode ser indicada pelo médico dependendo das necessidades da paciente.

Hoje em dia, no entanto, existem diversos tipos de tratamentos não invasivos, que podem reduzir o número total de procedimentos a que a paciente é submetida. Vale ressaltar que a endometriose é uma doença crônica, e por isso o acompanhamento médico contínuo é fundamental.

Fonte:
PASSOS, Eduardo Pandolfi. et al. Videolaparoscopia. In: FREITAS, Fernando. (autor) et al. Rotinas em Ginecologia. Porto Alegre: Artmed, 2011, pp. 302-322.
SOUZA, Carlos Augusto B. et al. Endometriose. In: FREITAS, Fernando. (autor) et al. Rotinas em Ginecologia. Porto Alegre: Artmed, 2011, pp. 144-158.
UENO, Jogi. Laparoscopia x Laparotomia. Disponível em: < http://laparoscopiaginecologica.net.br/2013/07/laparoscopia-x-laparotomia/>. Acesso em 18 jul. 2013.

Como prevenir a Endometriose?

A endometriose é uma doença benigna, que se caracteriza pela proliferação do tecido chamado endométrio para fora da cavidade uterina, local em que ele normalmente se desenvolve. O crescimento do endométrio faz parte do ciclo reprodutivo da mulher. Ao longo desse período, o tecido cresce, e quando não ocorre gravidez ele é eliminado em forma de menstruação. Entretanto, em algumas mulheres algumas células desse tecido migram no sentido oposto, podendo subir pelas tubas e chegar à cavidade abdominal, multiplicando-se e provocando a endometriose.
Não há consenso médico sobre as causas que levam ao desenvolvimento da endometriose, de modo que ainda é difícil falar diretamente em prevenção. Entretanto, diversos estudos sobre as características das mulheres que têm a doença ajudam a medicina a se aproximar de maiores respostas.
Enquanto alguns fatores de risco para a endometriose são bem conhecidos, ainda não é claro como determinados comportamentos, tais como o uso de determinados medicamentos, drogas, entre outros fatores, poderiam aumentar ou diminuir as chances de desenvolver a doença.
Alguns estudos associam o padrão menstrual à ocorrência de endometriose: pacientes com fluxo mais intenso e mais frequente teriam mais risco de apresentar a doença.
A relação entre o uso de pílula anticoncepcional e a endometriose ainda é polêmica: há pesquisadores que encontraram aumento de risco, e outros que indicaram a redução ou ausência de efeito. Como alguns anticoncepcionais orais são utilizados por mulheres que apresentam cólicas menstruais (dismenorreia primaria), e a endometriose causa dor pélvica (dismenorreia e dispareunia), a pílula é muitas vezes prescrita para mulheres que têm a doença, sem que se tenha descoberto alguma relação de causa e efeito entre elas.
Filhas e irmãs de pacientes com endometriose têm maior risco de também desenvolver o problema. A identificação genética poderia ajudar a entender melhor a doença, mas é ainda difícil saber o quanto os genes realmente são relevantes em relação a outros fatores, como etnia e fatores ambientais.
Consumir muito álcool e cafeína são hábitos que têm sido associados ao aumento do risco ou piora do quadro de endometriose, enquanto fazer atividades físicas parece diminuir as chances de desenvolver a doença.
Com um debate científico ainda bastante acalorado sobre as causas da endometriose, o melhor que as pacientes podem fazer para manter a saúde em dia é consultar regularmente o ginecologista. Observar os sintomas e conhecer seu corpo também são atitudes que ajudam a perceber alterações, indicando a necessidade de voltar mais cedo ao consultório.

Fontes:
SOUZA, Carlos Augusto B. et al. Endometriose. In: FREITAS, Fernando. (autor) et al. Rotinas em Ginecologia. Porto Alegre: Artmed, 2011, pp. 144-158.
VARELLA, Drauzio. Endometriose: entrevista. Disponível em: < http://drauziovarella.com.br/mulher-2/endometriose-3/>. Acesso em 19 jul. 2013.

Tratamentos e Cuidados

Dois tipos de tratamento podem ser usados para combater as dores da endometriose: medicamentos ou cirurgia. Cada um deles tem suas especificidades, e cabe ao ginecologista avaliar a gravidade da doença em cada caso e recomendar o melhor tratamento. Vale lembrar que, dependendo da situação, ambos os procedimentos são feitos de maneira integrada.

Tratamento cirúrgico:
Nesse procedimento, a endometriose é removida por meio de uma cirurgia chamada laparoscopia. Em alguns casos, é possível eliminar apenas os focos da doença ou as complicações que ela traz – como cistos, por exemplo. No entanto, em situações mais sérias, o procedimento precisará até remover os órgãos pélvicos afetados pela enfermidade. Dependendo das condições da doença, é possível recorrer a tratamento por laparoscopia, com laser.
Também é possível a realização da videolaparoscopia, na qual diagnosticará o número de lesões, aderências, a obstrução tubária e já tratar a doença.

Tratamento com medicamentos:
Existem diversos medicamentos disponíveis no mercado para tratar a endometriose, como: analgésicos, anti-inflamatórios, análogos de GNHR, Danazol e Dienogeste. Atualmente também é possível reduzir os sintomas utilizando o DIU com levonorgestrel.
Antes de começar o tratamento, caso a paciente deseje engravidar, poderá ser indicado o encaminhamento para um Centro de Reprodução Humana, pois a melhor alternativa para a mulher que possui endometriose e deseja ter filhos é a fertilização in vitro. Isso porque a presença da endometriose não afeta as taxas de gravidez quando escolhido esse método.
É importante compreender que não existe cura permanente para a endometriose. O objetivo do tratamento é aliviar a dor e amenizar os outros sintomas, como favorecer a possibilidade de gravidez e diminuir as lesões endometrióticas.

Fonte: Dr. Sergio dos Passos Ramos CRM17.178 – SP

9 perguntas e respostas sobre endometriose e gravidez

1- De que maneira a endometriose causa infertilidade?
A doença pode causar aderências extensas entre os órgãos, ou seja, deixá-los grudados uns nos outros, o que faz com que ocorra o fechamento ou entupimento das tubas uterinas, impedindo o encontro entre o óvulo e o espermatozóide. Além disso, por conta das aderências, a tuba e o ovário podem ficar fixos ou distantes um do outro, o que impede a captação do óvulo produzido pelo ovário. A receptividade do embrião no endométrio --local em que ele se implanta-- também sofre alterações graças à ação de substâncias produzidas pela doença.

2 - A gravidez é benéfica para quem tem endometriose?
Como muitas pacientes com endometriose tem queixa de infertilidade, a gestação sempre costuma ser bem-vinda. Durante a gravidez existe a produção da progesterona, hormônio que dificulta o crescimento dos focos de endometriose, mas essa produção hormonal não é capaz de eliminar os focos de endometriose. Portanto, ainda que a gravidez seja benéfica para quem tem endometriose, ela não é capaz de curar a doença, apenas deixa os focos sem crescimento.

3 - Mulheres com endometriose têm maior risco de ter aborto?
Não necessariamente. Alguns estudos relacionam a doença a um maior risco de abortamento, no entanto, vários especialistas discordam, pois há causas mais relevantes que levam ao aborto, como malformações uterinas. A endometriose aumenta o risco de gravidez ectópica (que ocorre fora do útero). No entanto, caso a mulher tenha um histórico de abortos recorrentes, o especialista pode indicar a retirada dos focos de endometriose por meio de cirurgia.

4 - O bebê de quem tem endometriose tem chances de nascer com problemas?
Não. Nenhum estudo comprova que exista qualquer relação entre a endometriose e a chance de ter um bebê com problemas. O risco de malformações e problemas genéticos é igual ao de uma mulher que não tem a doença.

5 - Gravidez de quem tem endometriose é considerada de alto risco?
Não. A gestação é semelhante a da não portadora da doença. Como o hormônio da gravidez (progesterona) dificulta o crescimento dos focos da endometriose, a gestação protege a mulher da doença, ainda que não seja capaz de curá-la. No entanto, em casos graves de endometrioses extensas que atinjam o intestino ou os ureteres, é possível que a gestante precise passar por uma cirurgia de urgência para desobstruir o intestino ou as vias urinárias.

6 - O exame para detectar endometriose aumenta as chances de gravidez natural?
A HSG (histerossalpingografia) é feita em centros radiológicos e avalia se a cavidade e as tubas uterinas estão comprometidas pela endometriose. As mulheres que fazem o exame costumam ter mais chance de engravidar até seis meses depois do procedimento. O médico introduz uma pequena cânula no colo do útero e injeta uma substância radioativa que percorre o interior do útero e das tubas. Quando as tubas estão abertas, o líquido cai dentro da barriga, o que é comprovado na radiografia. Nessa avaliação, ocorre uma espécie de "lavagem" do interior da tuba, que pode desobstruir pequenas aderências. Além disso, a própria substância utilizada traz benefícios para as células das tubas, facilitando o encontro do espermatozóide com o óvulo.

7 - O uso de hormônios aumentam as chances de engravidar?
Não. Nenhum hormônio é capaz de aumentar as chances de engravidar naturalmente nas pacientes com endometriose, porém o uso de análogos do GnRH (hormônio liberador de gonadotrofina) antes da fertilização in vitro aumentam as taxas de gravidez no tratamento.

8 - Quais opções de tratamento para a infertilidade da mulher com endometriose?
Há dois tipos de tratamento: a cirurgia ou as técnicas de reprodução assistida. A cirurgia para retirar os focos de endometriose deve ser realizada preferencialmente por laparoscopia --procedimento minimamente invasivo-- e a taxa de gravidez natural chega a 50% dos casos. Nas técnicas de reprodução assistida, há as opções de inseminação artificial ou FIV (fertilização in vitro). No caso das mulheres que não apresentam nenhum problema nas tubas uterinas, a inseminação artificial --colocação dos espermatozoides no útero-- é uma boa opção. No entanto, caso a paciente tenha uma endometriose profunda, a indicação é a FIV. Nela os embriões já fecundados são inseridos no útero, pois a doença dificulta o processo de captação do óvulo pelas tubas uterinas.

9 - Fertilização in vitro prejudica a endometriose?
Não necessariamente. Para realizar a fertilização in vitro é necessário um grande estímulo dos ovários, levando a um aumento acentuado dos níveis do estrogênio, o que pode fazer com que os focos de endometriose cresçam mais rapidamente. Caso a paciente tenha uma lesão grave no intestino ou nas vias urinárias, podem ocorrer obstruções nesses órgãos, quadro considerado grave. Por isso, antes do procedimento, os especialistas indicam que os médicos solicitem uma ressonância da pelve, para detectar quão profunda é a endometriose. Para diminuir os riscos de obstruções, os médicos ainda podem utilizar agonistas do GnRH, substâncias que baixam os níveis de estrogênio, atrofiando a endometriose, ou mesmo pílulas contraceptivas, alguns meses antes da fertilização.

Fontes: Arnaldo Cambiaghi, diretor do Centro de Reprodução Humana do IPGO (Instituto Paulista de Ginecologia Obstetrícia e Medicina da Reprodução)
 Marco Aurelio Pinho de Oliveira, chefe do Ambulatório de Endometriose do HUPE-UFRJ (Hospital Universitário Pedro Ernesto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro) 
e autor do livro "Endometriose Profunda — O que Você Precisa Saber" (editora DiLivros).

quarta-feira, 16 de março de 2016

Dicas de como usar a crise a seu favor

Cenário atual

Todos sabemos que o nosso país está passando por um momento muito difícil em vários aspectos: crise econômica, política, moral, ambiental e por aí vai. Sendo assim, os grandes veículos de comunicação aproveitam para nos bombardear com uma enxurrada de informações. Mas, ficar o tempo todo ligado a essas notícias negativas pode ser o caminho mais rápido para se contaminar e entrar de cabeça na crise.

Com este artigo eu pretendo mostrar como você pode aproveitar este cenário atual a seu favor. Você vai ver que nem tudo está perdido, pelo contrário, essa pode ser uma ótima oportunidade para você alavancar o seu negócio, fazer diferente e prosperar. Não há como negar que esse fantasma chamado crise traz grande preocupação, ansiedade e insegurança à população. É possível sentir no bolso cada aumento, e com isso vem a contenção de gastos e receio do amanhã. Mas, a boa notícia é que o seu sucesso nesse momento só depende de uma única pessoa, VOCÊ!

Isso mesmo, pode até parecer um pouco clichê, mas você tem em suas mãos o poder de mudar o seu destino, de construir o seu futuro da forma que sempre imaginou, independente de crise ou de cenário ruim. Para isso, basta fazer algumas coisas que exigem dedicação e esforço da sua parte: correr atrás dos seus objetivos, inovar, usar toda a sua criatividade e agarrar as oportunidades que surgirem.

A regra fundamental

Para construir o seu próprio futuro, existe uma regra básica e fundamental, a capacitação. Você deve estar continuamente desenvolvendo novas habilidades e aprofundando o conhecimento que você já possui. É possível se capacitar de várias formas: através da leitura de artigos na internet, vendo vídeos no YouTube, participando de feiras, conversando com pessoas mais experientes e por aí vai. Mas a principal forma de se capacitar é fazendo cursos com profissionais sérios e qualificados.

Portanto, aí vai a primeira dica: faça cursos de capacitação. Não existe segredo. Com eles, você vai se atualizar, descobrir as melhores maneiras de fazer as suas peças artesanais, economizar e otimizar o seu tempo, ficar por dentro das tendências, além de ter ideias para expandir a sua linha de produtos e, consequentemente, o seu negócio. Somando isto tudo, você será capaz de criar produtos totalmente diferenciados e com um ótimo apelo comercial. Enfim, um novo mundo vai se abrir para você. E é por isso que você não deve temer na hora de investir em capacitação. Esse dinheiro, com certeza, irá retornar para você.

Lembre-se: o mercado artesanal está passando por mudanças profundas. Nos últimos anos muitos cursos virtuais foram criados. Hoje, os artesãos têm acesso a um mundo de informações através da internet, o que está melhorando demais a qualidade dos trabalhos e acelerando o desenvolvimento de novas técnicas. Isto gera um efeito incrível de valorização do artesanato por parte do cliente, já que um trabalho mais moderno e qualificado tem um maior valor de venda. Esse é um movimento contínuo e sem volta. Esteja preparado para isso.

Trabalhar com o artesanato certo

O seu objetivo é ter renda com a venda do seu trabalho artesanal, correto? Você sabia que existem alguns artesanatos, digamos, mais fáceis de vender do que outros? Então, como saber qual é o artesanato certo, aquele que vai trazer a você um maior retorno? Em geral, se você trabalhar com artesanatos voltados para momentos especiais da vida das pessoas, a sua chance de sucesso é maior. Isso porque esse tipo de artesanato tem mais apelo comercial, é mais fácil vender. Quando você faz um artesanato desse tipo, está trabalhando diretamente com o emocional do cliente e isso vende demais, sabia?

Se você analisar, o próprio artesanato é algo muito emocional. É algo feito à mão, com carinho, por uma pessoa talentosa que também tem uma história. Então, arte manual tem tudo a ver com momentos especiais, como casamentos, bodas, aniversários, batizados, etc. Para esses eventos, você pode desenvolver peças mega personalizadas, cheias de afeto, que tem tudo a ver com a ocasião! Além disso, as pessoas tendem a gastar mais nessas ocasiões, o que vai te dar margem para vender mais, e, como resultado, ter maiores ganhos.

Caprichar na embalagem

Já ouviu aquela história de que artesanato não é valorizado? Pois é, isso é mentira. A valorização do artesanato depende de você e não do cliente. Se você tem algo bom, com apresentação impecável e mostra para o cliente certo, não tem erro, é venda na certa.

Um dos pilares para a valorização do seu trabalho artesanal é a embalagem. É importante fazer uma embalagem criativa e bonita para despertar a vontade de comprar em seu cliente. Através de materiais simples e com custo muito baixo, você consegue produzir uma embalagem de primeira qualidade. Para isso, pesquise no Google por “embalagem para artesanato” que você vai encontrar dezenas de ideias muito legais.

Lembre-se sempre: o cliente compra também com os olhos, portanto apresente algo diferenciado a ele.

Personalização

Talvez a principal vantagem do artesanato frente aos produtos industrializados seja a possibilidade de personalização. Você pode fazer as suas peças exatamente de acordo com o gosto do seu cliente, pode usar as cores que ele quiser e até colocar nomes e datas.

Muitos artesãos não aproveitam essa vantagem e produzem peças pouco diversificadas, como se fossem produzidas em linha de produção. Não cometa esse erro! Entenda o seu cliente para produzir exatamente o que ele está esperando. Coloque o nome da pessoa que vai receber, texturas diferentes e as cores dais quais ele mais gosta.

Montagem de kits

Outra estratégia que você pode usar para aumentar os seus lucros é montar kits de produtos. Se você trabalha com bijuterias, por exemplo, é muito mais lucrativo vender um kit com um brinco, colar e anel do que somente uma dessas peças. O kit é mais valorizado, além de agradar mais o cliente. Se o seu artesanato for usado para presente é melhor ainda!

A principal dica aqui é montar um kit harmonioso. No exemplo das bijuterias, coloque peças que combinem entre si. Se for saboaria artesanal, por exemplo, monte um kit com essências harmônicas e que sigam uma linha definida. Solte a criatividade que você vai longe!

Dica extra – outras fontes de renda com artesanato

Para finalizar o artigo, lá vai uma dica extra para você, uma ideia para abrir os horizontes. Existem várias maneiras de ter renda através do seu conhecimento sobre artesanato. Uma delas é por intermédio do ensino de técnicas que você domina. Já pensou em se transformar em uma professora de artesanato? Pois é, essa é também uma ideia extremamente lucrativa.

É possível montar uma escola na garagem da sua casa, ir até a casa das alunas ou alugar uma sala para o empreendimento. Tudo, claro, com muito planejamento. Mas não é só isso, hoje com o alcance enorme da internet você pode dar aulas pela grande rede de computadores. É possível gravar as suas aulas e vendê-las através da internet, ou mesmo montar apostilas e ter uma boa renda através da comercialização.

Enfim, oportunidades não faltam! Esteja sempre atento a todos os detalhes, pesquise bastante, se capacite e nunca desista dos seus sonhos. Certamente você vai alcançar o seu objetivo e viver do que sempre sonhou, independente de qualquer cenário.

Fonte: Fernando Oliveira é o criador do blog Revista Artesanato, um dos maiores sites de artesanato do Brasil e do portal de cursos online Artesanato.com. Hoje se dedica a criar cursos de capacitação para artesãos que querem transformar o seu hobby em um ótimo negócio.

segunda-feira, 14 de março de 2016

Cozinhar Lata de leite condensado

Sabe aquela lata de leite condensado que abre com uma "alavaquinha"?


Pois é, tenho visto muitas pessoas por aí com dúvida sobre se pode cozinhar ela ou não para fazer doce de leite.
Como uma boa doceira que já fui e como ainda gosto de me aventurar na cozinha, resolvi tirar a prova dos 9 pra vocês.
Fui lá e coloquei a minha lata em uma panela de pressão, cobri de água e deixei por 25 minutos e eis que... Voilà;


E não é que dá super certo?



segunda-feira, 7 de março de 2016

10 Mandamentos para uma vida mais produtiva

10 Mandamentos para uma vida mais produtiva

Negócio de Mulher 12/08/2015 Desenvolva seu Negócio, Negócio Criativo


Quando você começa um pequeno negócio, o seu maior desafio é saber por onde começar. Depois, com os primeiros passos dados, é hora de descobrir como continuar dando os próximos passos, como se manter em movimento e mais ainda, como fazer melhor uso do meu tempo.

Pensando nesses dilemas, surgiu a ideia de criar o pôster 10 Mandamento para uma vida mais produtiva que você pode baixar gratuitamente aqui.

1. Amar-se e cuidar-se gerando mais energia todos os dias

Você é sua principal ferramenta de trabalho e não seu computador ou seu material de artesanato. Como anda a sua alimentação? A boa alimentação, a saúde, a prática de exercícios diários são as principais fontes de energia que temos. Uma vida mais produtiva dependem de um corpo e uma mente mais saudáveis e descansados.

2. Não participar de reuniões em vão

Você realmente precisa de participar presencialmente daquela reunião? Há algo que você possa resolver por telefone ou por e-mail? Há uma maneira de usar aplicativos como skype? Nem toda reunião presencial é produtiva, nem todas as decisões precisam ser cara a cara.

3. Guardar horários de almoço, noites de sonos e descansar mais

Trabalhar mais somente por trabalhar não faz da gente uma pessoa mais produtiva, pelo contrário, pode acontecer justamente o oposto. Viva o ócio criativo, viva também o descanso. O que você faz no seu tempo livre?

4. Honrar a minha agenda e lista de tarefas priorizando sempre

Listas de tarefas realmente ajudam. Você não precisa seguí-la a risca como uma rotina militar. Mas colocar as ideias do papel ajuda a “esvaziar a mente” daquilo que é rotineiro e abre espaço para a criatividade fluir melhor. Use o seu melhor horário para trabalhar no que for importante.

5. Não procrastinar

Como fugir das tentações e interrupções do nosso dia? Como escapar daquela olhadela perdida no Facebook, Instagram e celular? Nós fazemos isso porque buscamos prazeres imediatos. Disciplina é fazer aquilo que precisa ser feito independente do nosso estado de espírito. Disciplinar-se é driblar a procrastinação.

6. Desapegar do mito da multitarefa

Desapegue-se de velhos mitos. É comum ouvirmos que “mulheres são multitarefa”, pode até ser que a gente tenha masterizado a arte de equilibrista, com tantos papéis a exercer. Mas a verdade é que neurologicamente, é impossível para nosso cérebro “multitarefar”. O que você faz na verdade é mudar rápida e constantemente sua atenção de uma coisa para outra, consumindo sua energia e foco. Estudos mostram que fazer mais de uma atividade por vez pode diminuir a capacidade cerebral em até 40%.

7. Não interromper tarefas importantes para checar emails ou redes sociais

Como evitamos as tentações? Não as tendo por perto. Feche abas desnecessárias do navegador, desligue a internet quando não precisar mais dela, feche programas em desuso, faça uma faxina nas suas notificações, desconecte-se quando necessário. Aproveite o presente, usufrua deste momento único e sereno de foco.

8. Não criar falsos prazos

Nesse quesito a prática leva a perfeição. Se você ainda não tem muita ideia de quanto tempo leva para realizar cada projeto ou tarefa, crie um jornal do tempo, anote tudo o que foi feito e quanto tempo gastou. Informação é poder.

9. Não desejar a vida alheia

Por que é muito mais fácil olharmos para o que ainda não temos, ainda não conquistamos ou ainda não compramos? Por que a grama do vizinho é sempre mais verdinha? Essa visão começa a mudar quando você começa a praticar o décimo mandamento :)

10. Praticar a gratidão

É muito mais fácil conquistar grandes metas e superar desafios quando temos ao nosso lado pessoas que apoiam nossas decisões e trabalham conosco. Por isso, é muito importante que você pratique a gratidão diariamente e reconheça o valor daqueles que contribuem com o nosso sucesso. A gratidão deve ser um exercício diário e cumulativo.

O que você achou destes 10 mandamentos para uma vida mais produtiva? Me conte aqui nos comentários.

domingo, 6 de março de 2016

Criando Folha de Scrap

Você sabe como criar a sua própria folha de scrap?
Algo personalizado e especial para sua cliente?
Veja esse vídeo no meu canal do youtube e aproveite pra se inscrever lá e ficar por dentro de todas as novidades...


Canal Crie e Recrie Lembrancinhas no Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCVDI6E40654tcr-y4wD0H1g